sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Uma crise difícil de entender

O mundo está assustado com a crise que atinge todos os mercados financeiros. Nunca se ouviu falar tanto de commodities, circuit-breaks, câmbio, risco-país, Nasdaq, Dow Jones, entre outros termos. Para explicar o fenômeno que está derrubando as bolsas, a mídia abusa do economês, confundindo a maioria das pessoas, que não faz idéia do significado dos gráficos mostrados na TV e nos jornais.
.
Na verdade, o público quer saber as reais dimensões dessa crise. Será que vai prejudicar a criação de empregos no país ou gerar a disparada dos preços nos supermercados? A oferta de crédito está comprometida? São essas questões que a mídia precisa responder, traduzindo o discurso dos analistas financeiros para uma linguagem acessível a todas classes sociais. Assim, não basta informar que os EUA criarão pacotes de socorro aos bancos falidos, o importante é saber o quanto isso vai influenciar o mercado interno brasileiro.
.
Quando o assunto é economia, os meios de comunicação devem ser quase didáticos para tornar a informação clara e prática. Quem prefere um conteúdo mais aprofundado, deve procurar publicações e veículos especializados. Dessa forma, ao falar de risco-Brasil, é preciso explicar que quanto maior esse índice, menor é a confiança do investidor externo nas finanças brasileiras, ou seja, pior para o desenvolvimento do país.
.
P.S: A mídia pode apontar várias causas para esse colapso global, mas a principal delas é ignorada: o fracasso do capitalismo como modelo econômico. O exemplo norte-americano de estabilidade acabou, o império está ruindo, provando que hegemonias também têm prazo de validade.

4 comentários:

Ana disse...

Parabens Michel... o assunto foi abordado de uma maneira muito boa, reflexiva e de fácil entendimento... bom trabalho!

Nádia Carla disse...

Estamos passando por um momento histórico ... a queda do Império Americano!!!!
Na minha opinião, os jornais estão abordando o tema de uma maneira alarmista e, como sempre, não falando de uma maneira clara para a maioria da população.

Arismar disse...

E pra completar é um americano quem ganhou o premio nobel em economia...

Flávio disse...

Só para acrescentar: Por mais que digam mal dele (eu sou um deles), teve dois dias que vi o jornal nacional tentando explicar como funcionava o mercado de ações e um pouco da crise e acho que foi bem sucedido.
Com relação ao texto, eu concordo com o Michel em todos os aspectos: tirando aqueles sabichões que entendem de economia todo o resto do mundo está boiando diante disso tudo.
Com relação ao economista que criou o Prêmio Nobel, um dos fatores que influenciaram para que ele ganhasse foi ter avisado meses atrás que a política econômica do Governo BUSH está equivocada e ia pro saco já, já.