terça-feira, 8 de setembro de 2009

Quem tem razão, Oliver Stone ou Veja?


Publicado dia 06 de set.2009 no Portal IG

Veneza aplaude filme de Oliver Stone sobre Chávez


Apresentado fora de competição para a imprensa, "South of the border" (Ao sul da fronteira), descreve em 75 minutos, com diversas entrevistas e anúncios feitos pelas redes de comunicação norte-americanas, as mudanças políticas atravessadas pela América Latina nos últimos dez anos a partir da eleição de Chávez, em 1998. "Sim, é possível mudar o curso da história, esta é uma revolução pacífica, mas armada", afirma o presidente venezuelano numa passagem do filme.

Para Stone, autor de "Comandante" (2003), sobre o líder cubano Fidel Castro, e de "Salvador" (1986), sobre o conflito na América Central, Chávez "não é o inimigo público número um" que os Estados Unidos temem e acusam.

Apesar da aquiescência com que trata o líder venezuelano, o filme é um importante documento histórico que reúne as opiniões de sete presidentes latino-americanos sobre a evolução política da região, entre eles o brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva."Durante muitos anos tivemos uma elite servil aos Estados Unidos", reconhece Lula no filme.

Stone, de 62 anos, ganhador de três Oscar pelo roteiro do filme "O expresso da meia-noite" (1978) e pela direção de "Platoon" (1986) e "Nascido em 4 de julho" (1989), combina conversas informais com declarações oficiais para apresentar um retrato do líder venezuelano.

Escrito por Stone ao lado do intelectual de esquerda anglo-paquistanês Tariq Ali, o documentário critica a tradicional visão dos Estados Unidos, que veem a região como seu "quintal".

3 comentários:

Cristiano disse...

Uma observaçãozinha....Chavez foi ao poder em 1998, e não 1988...
É sempre complicado abordar o assunto nesse meio em um país em que a classe média emergente, economicamente ativa, com acesso a esse tipo de texto, tem sérias crises de identidade nacional, de modo a sempre almejar modelos políticos e econômicos, e também culturais, europeus e norte-americano. Isso em um cenário totalmente diferente, tanto histórica quanto culturalmente, dos tais "desenvolvidos". Ainda bem que nesse democracia todos tem o mesmo peso de voto!

MÍDIA CIDADÃ disse...

Cristiano,

Já fiz a correção......Quanto ao seu comentário, é verdade que somos um povo de mente colonizada, influenciado pelo pensamento norte-americano e europeu. O retrato chavista feito pela mídia brasileira é fruto dessa mentalidade e do conservadorismo das elites brasileiras. Um exemplo disso é o silêncio dos meios de comunicação em relação à proposta do presidente colombiano de alterar a legislação para concorrer a um terceiro mandato, como Chavez fez. Mas esse ocultamento acontece porque Uribe é aliado dos EUA. O presidente da Venezuela não é o paladino da justiça tampouco o diabo pintado pela imprensa.

Anônimo disse...

Go Veja! =D