sábado, 23 de janeiro de 2010

Controle social não é censura

No mínimo, o editorial divulgado pelo Jornal da Noite da Rede Bandeirantes na última sexta (dia 22) é irônico. Primeiro, porque foi declamado por Boris Casoy, aquele mesmo que humilhou os garis em rede nacional. Segundo, porque tenta martelar a idéia de que o governo quer acabar com a liberdade de imprensa com o 3º Plano Nacional dos Direitos Humanos e a Política Nacional de Cultura.


A liberdade de expressão e a manifestação de pensamento são asseguradas pelo artigo 220 da Constituição Federal. Ele também proíbe toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística. Assim, nenhum governo se arriscaria em tomar uma medida que contrariasse esses direitos, nem mesmo Lula com toda sua popularidade.


Mas o mesmo artigo também prevê que o Estado defenda a sociedade contra programas que desrespeitem os direitos humanos. Além disso, o artigo 221 exige que a programação das emissoras de rádio e TV privilegie conteúdos educativos, artísticos, culturais e informativos. O dispositivo ainda fala sobre a necessidade da promoção da cultura regional e o estímulo à produção independente. Será que os empresários da comunicação estão levando a sério esses princípios?


Os donos de emissoras têm pavor do chamado controle social da mídia. É verdade que as pessoas não costumam gostar do verbo controlar, mas nesse caso, significa a criação de conselhos que permitam à sociedade, através de representantes democraticamente eleitos, acompanhar, verificar e avaliar se as políticas públicas de comunicação cumprem o que diz a Constituição.


Dessa forma, acusar a proposta de controle social da mídia de censura é pura distorção da mídia conservadora, que insiste em manter velhas estruturas de poder e manipulação. Enquanto o Brasil não avança nessa discussão, o único controle que a sociedade dispõe em relação à mídia é o remoto. Que tal usá-lo para trocar de canal quando figuras repugnantes, como Boris Casoy, estiverem no ar?

5 comentários:

Inez disse...

Controle Social da mídia é censura sim e o projeto do governo quer a censura.
O controle social da mídia significa ser exibido somente aquilo que o governo permitir.
A sociedade não pecisa deste controle, cada um vê ou ouve o que quer na mídia.

Michel Carvalho disse...

Cara Inez

Respeito a sua opinião, mas a questão não é tão simples assim, você sabia que as emissoras são concessões públicas e que devem seguir algumas obrigações? Acho que a grande mídia investe contra o controle social porque teme que tenha que oferecer uma programação de qualidade e não voltada apenas à audiência.

Wander Veroni disse...

Olá!

Ao mesmo tempo que fico temeroso com uma possível censura da produção de conteúdo audiovisual na TV aberta, penso que isso é uma medida desesperada de dar mais qualidade à TV, mesmo que seja de maneira torta...hehehe. O debate é polêmico e ainda vai render...hehehe.

Abraço,

http://cafecomnoticias.blogspot.com

Melisseira (♥) disse...

Oi Adorei seu Blog .

Thiago Capodeferro disse...

A nenhum governo interessa que a mídia tenha programas de qualidade, Não vamos ser ingênuos, um povo manipulável é mito mais fácil de ser usado na guerra por votos. Todos os governos se preocupam com o poder da mídia e tentam mante-la ao seu controle. As vezes conseguem com a complacência da própria mídia