quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Credibilidade em xeque

A polêmica entre a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) e os jornais Folha de S. Paulo e O Globo está gerando um avalanche de ações na justiça. Na última edição do programa Domingo Espetacular, da Rede Record, foi veiculada uma matéria de quatorze minutos em que são mostrados fiéis que se sentiram ofendidos moralmente pelas reportagens feitas pelos jornais.


A IURD contesta a reportagem da Folha “Universal chega aos 30 anos com império empresarial” publicada em de 15 de dezembro de 2007. Um dos trechos que mais revoltaram os líderes da igreja é o seguinte: “Uma hipótese é que os dízimos dos fiéis sejam esquentados em paraísos fiscais”. A jornalista poderia ter sido mais cuidadosa ao levantar essa possibilidade sem provas consistentes.


Os fiéis também se sentiram ofendidos pelo jornal carioca que utilizou termos pejorativos ao se referir à IURD. Em uma das matérias, o título era “Seita montou um império diversificado”. A reportagem levanta suspeitas sobre os negócios dos bispos da igreja.


O Domingo Espetacular ainda entrevistou juristas e especialistas em religião para confirmar o caráter preconceituoso das matérias dos jornais. O fato de a Rede Record pertencer ao bispo Edir Macedo da IURD é relevante quando se pensa em isenção jornalística. Na reportagem, ninguém contrário às ações dos fiéis foi ouvido. A opinião da FENAJ (Federação Nacional dos Jornalistas) e de outras entidades deveriam constar na matéria.


A Folha respondeu às ações com o editorial "Intimidação e má-fé" na capa do dia 19. O ombudsman do jornal comentou em sua coluna diária que o veículo “reage a um modelo de ataque ao jornalismo que, se vingar, restringirá a liberdade de imprensa no país”. Nessa mesma edição, uma página foi dedicada à cobertura, com o título principal "Universal quer intimidar, dizem entidades".


Quem perde nesse embate entre os jornais e a igreja Universal é o cidadão que acaba recebendo uma informação contaminada e tendenciosa. Para se ter uma idéia da confusão, o jornal O Globo é da família Marinho que também é dona da emissora que a Rede Record do bispo Macedo tenta alcançar. Assim, qualquer matéria veiculada por esses veículos terá sua credibilidade questionada.


Michel Carvalho

Jornalista e Educador

3 comentários:

Nádia Carla disse...

Fiquei muito constrangida com esta reportagem, pois além de ser extremamente tendenciosa, me chocou ver um jornalista como Paulo Henrique Amorim participando deste assunto sem nenhuma Imparcialidade !!

Michel disse...

Nesse sentido, o Paulo Henrique Amorim está sendo mais um funcionário cumprindo às ordens da chefia.

Anônimo disse...

Porque a IURD incomoda tanto? O que a mídia tem a ver com o crescimento da igreja? Por que usar termos claramente pejorativos para se referir a uma instituição religiosa com tantos membros em todo o Brasil? Será que com outra instituição, mesmo que não religiosa, a reação e o tratamento seriam diferentes? É para se pensar.