quarta-feira, 12 de março de 2008

A serviço do conservadorismo

Muita gente pode até negar, mas a novela das oito (que na realidade é a das nove) pauta a vida cotidiana brasileira. Por isso, é preocupante algumas mensagens veiculadas no programa de maior audiência do país. No episódio da novela Duas Caras da útima terça, dia 11, a personagem Gislaine, uma estudante negra, interpretada pela atriz Juliana Alves, aparece lendo o livro Não somos racistas, numa ação aparentemente de merchandising.

O livro é de autoria do diretor executivo de jornalismo da Rede Globo, Ali Kamel, um conhecido desafeto do movimento negro. Não somos racistas critica o sistema de cotas para afrodescendentes em universidades públicas, afirmando que essa política divide o Brasil em dois grupos. Coincidência ou não, na mesma novela, o personagem Rudolf Stenzel (Diogo Almeida), também negro, é o rebelde sem causa, um líder estudantil que só promove desordem na universidade e oculta sua verdadeira condição social.

Sutilmente, a novela lança um olhar reacionário sobre a questão do negro no Brasil, deslegitimando suas reivindicações. Aí está o perigo, uma vez que a TV tem o poder de criar consensos na sociedade. Ao retratar uma negra resignada com o racismo e um negro engajado, mas hipócrita, Duas Caras serve de amplificador para a tese da democracia racial, onde as condições são iguais para todos.

6 comentários:

Anônimo disse...

Mais uma das muitas criações hipócritas "made in rede globo" e de muito pouco cárater. Não consigo esperar outra coisa desta emissora.
De fato, é um perigo, nem perco o meu tempo vendo.

Anônimo disse...

Justamente na semana em que a universidade criada para os negros e os afrodescentes formou sua primeira turma!
Triste saber que enquanto uns tentam incluir o pobre e o negro na sociedade, existem pessoas na mídia que fazem justamente o contrário...
Att.Osvaldo

Anônimo disse...

Apesar de não concordar em dividir negros e brancos no Brasil, concordo que a Rede Globo é especialista em vender seu peixe, isso acontece com os gays que são a linha de frente da emissora, pode ver: são uns santos, um modelo de vida e retidão, sempre vítimas e não pessoas conscientes e normais com virtudes e defeitos. Em compensação quem tem uma fé é tratado como ignorante e louco, ou esperto e sem caráter. A novela foi feita para distrair e entreter e não para vender a sua idéia de sociedade.

De dois disse...

Atente para as descobertas máximas de todos os tempos:
Não,não somos iguais..nem ferrando.
eu como 3 vezes por dia, todo dia, uma pessoa que mora a poucas quadras de mim luta para comer ao menos uma vez, enquanto outro morre de fome.
negro é diferente de branco. a história do negro é diferente. as pessoas tem medo do negro sim, por causa da mídia. as oportunidades para as pessoas são diferentes. no nosso tempo, tudo é mercadoria, e como diz a música: a carne mais barata do mercado é a carne negra. Não é uma divisão, é uma realidade. Há ricos, há pobres, há negros e há brancos. a alma não tem cor, mas nos tempos de hoje, ela tem dinheiro, e isso é triste.

De dois disse...

Atente para as descobertas máximas de todos os tempos:
Não,não somos iguais..nem ferrando.
eu como 3 vezes por dia, todo dia, uma pessoa que mora a poucas quadras de mim luta para comer ao menos uma vez, enquanto outro morre de fome.
negro é diferente de branco. a história do negro é diferente. as pessoas tem medo do negro sim, por causa da mídia. as oportunidades para as pessoas são diferentes. no nosso tempo, tudo é mercadoria, e como diz a música: a carne mais barata do mercado é a carne negra. Não é uma divisão, é uma realidade. Há ricos, há pobres, há negros e há brancos. a alma não tem cor, mas nos tempos de hoje, ela tem dinheiro, e isso é triste.

quilombonnq disse...

REVOLUÇÃO QUILOMBOLIVARIANA !
A COMUNIDADE NEGRA AFRO-LATINA BRASILEIRA
APOIA E É SOLIDARIA AO POVO PALESTINO.VIVA A PALESTINA!
Viva! Chàvez! Viva Che!Viva! Simon Bolívar! Viva! Zumbi!
Movimento Chàvista Brasileiro

Manifesto em solidariedade, liberdade e desenvolvimento dos povos afro-ameríndio latinos, no dia 01 de maio dia do trabalhador foi lançado o manifesto da Revolução Quilombolivariana fruto de inúmeras discussões que questionavam a situação dos negros, índios da América Latina, que apesar de estarmos no 3º milênio em pleno avanço tecnológico, o nosso coletivo se encontra a margem e marginalizados de todos de todos os benefícios da sociedade capitalista euro-americano, que em pese que esse grupo de países a pirâmide do topo da sociedade mundial e que ditam o que e certo e o que é errado, determinando as linhas de comportamento dos povos comandando pelo imperialismo norte-americano, que decide quem é do bem e quem do mal, quem é aliado e quem é inimigo, sendo que essas diretrizes da colonização do 3º Mundo, Ásia, África e em nosso caso América Latina, tendo como exemplo o nosso Brasil, que alias é uma força de expressão, pois quem nos domina é a elite associada à elite mundial é de conhecimento que no Brasil que hoje nos temos mais de 30 bilionários, sendo que a alguns destes dessas fortunas foram formadas como um passe de mágica em menos de trinta anos, e até casos de em menos de 10 anos, sendo que algumas dessas fortunas vieram do tempo da escravidão, e outras pessoas que fugidas do nazismo que vieram para cá sem nada, e hoje são donos deste país, ocupando posições estratégicas na sociedade civil e pública, tomando para si todos os canais de comunicação uma das mais perversas mediáticas do Mundo. A exclusão dos negros e a usurpação das terras indígenas criaram-se mais e 100 milhões de brasileiros sendo estes afro-ameríndios descendentes vivendo num patamar de escravidão, vivendo no desemprego e no subemprego com um dos piores salários mínimos do Mundo, e milhões vivendo abaixo da linha de pobreza, sendo as maiores vitimas da violência social, o sucateamento da saúde publica e o péssimo sistema de ensino, onde milhões de alunos tem dificuldades de uma simples soma ou leitura, dando argumentos demagógicos de sustentação a vários políticos que o problema do Brasil e a educação, sendo que na realidade o problema do Brasil são as péssimas condições de vida das dezenas de milhões dos excluídos e alienados pelo sistema capitalista oligárquico que faz da elite do Brasil tão poderosa quantos as do 1º Mundo. É inadmissível o salário dos professores, dos assistentes de saúde, até mesmo da policia e os trabalhadores de uma forma geral, vemos o surrealismo de dezenas de salários pagos pelos sistemas de televisão Globo, SBT e outros aos seus artistas, jornalistas, apresentadores e diretores e etc.
Manifesto da Revolução Quilombolivariana vem ocupar os nossos direito e anseios com os movimentos negros afro-ameríndios e simpatizantes para a grande tomada da conscientização que este país e os países irmãos não podem mais viver no inferno, sustentando o paraíso da elite dominante este manifesto Quilombolivariano é a unificação e redenção dos ideais do grande líder zumbi do Quilombo dos Palmares a 1º Republica feita por negros e índios iguais, sentimento este do grande líder libertador e construí dor Simon Bolívar que em sua luta de liberdade e justiça das Américas se tornou um mártir vivo dentro desses ideais e princípios vamos lutar pelos nossos direitos e resgatar a história dos nossos heróis mártires como Che Guevara, o Gigante Osvaldão líder da Guerrilha do Araguaia. São dezenas de histórias que o Imperialismo e Ditadura esconderam. Há mais de 160 anos houve o Massacre de Porongos os lanceiros negros da Farroupilha o que aconteceu com as mulheres da praça de 1º de maio? O que aconteceu com diversos povos indígenas da nossa América Latina, o que aconteceu com tantos homens e mulheres que foram martirizados, por desejarem liberdade e justiça? Existem muitas barreiras uma ocultas e outras declaradamente que nos excluem dos conhecimentos gerais infelizmente o negro brasileiro não conhece a riqueza cultural social de um irmão Colombiano, Uruguaio, Venezuelano, Argentino, Porto-Riquenho ou Cubano. Há uma presença física e espiritual em nossa história os mesmos que nos cerceiam de nossos valores são os mesmos que atacam os estadistas Hugo Chávez e Evo Morales Ayma,Rafael Correa, Fernando Lugo não admitem que esses lideres de origem nativa e afro-descendente busquem e tomem a autonomia para seus iguais, são esses mesmos que no discriminam e que nos oprime de nossa liberdade de nossas expressões que não seculares, e sim milenares. Neste 1º de maio de diversas capitais e centenas de cidades e milhares de pessoas em sua maioria jovem afro-ameríndio descendente e simpatizante leram o manifesto Revolução Quilombolivariana e bradaram Viva a,Viva Simon Bolívar Viva Zumbi, Viva Che, Viva Martin Luther King, Viva Osvaldão, Viva Mandela, Viva Chávez, Viva Evo Ayma, Viva a União dos Povos Latinos afro-ameríndios, Viva 1º de maio, Viva os Trabalhadores e Trabalhadoras dos Brasil e de todos os povos irmanados.
O.N.N.QUILOMBO –FUNDAÇÃO 20/11/1970
quilombonnq@bol.com.br