terça-feira, 7 de dezembro de 2010

A Rede Social: a irresponsabilidade de um gênio



Ele não era bonito, forte, nem engraçado. Não fazia sucesso com as mulheres. Não fazia parte da equipe de remo da universidade, nem do clube de notáveis de Havard. Mas Mark Zuckerberg era um visionário, um gênio da informática que foi capaz de criar a rede social mais popular do mundo: o Facebook. A Rede Social (The Social Network) do diretor David Fincher narra os bastidores dessa história que envolve status, ambição, genialidade e traição. O longa é o retrato de uma geração conectada que constrói sua identidade a partir de um perfil construído na internet.

A história começa na noite em que Mark curte uma “fossa” após o rompimento com a namorada. Com a cabeça cheia de ideias e a ajuda do amigo brasileiro Eduardo Saverin (Andrew Garfield), o jovem cria um aplicativo que compara fotos dos estudantes de Havard. Em pouco tempo, o programa vira febre e desperta o interesse dos gêmeos Winklevoss, que fazem parte de um um grupo seleto de alunos veteranos. As conversas avançam, mas o que poderia significar uma parceria, transforma-se em um grande golpe.
 
Mark compreendeu que muitas pessoas tinham o desejo de interagir pelo computador, em casa, sem precisar ir à festas. Daí surge o The Facebook, um site em que os usuários criam seus perfis e fazem amigos segundo seus próprios critérios de interesse. Para bancar esse projeto, Eduardo decide injetar um grande capital, mas Mark ainda achava que faltava algo. Entra em cena, então, Sean Parker (Justin Timberlake), criador do Napster, que prometeria expandir de vez os negócios, o que acabaria comprometendo a amizade dos dois estudantes. 
 
Mark acaba sendo acusado de ter desenvolvido o Facebook a partir das ideias dos gêmeos Winklevoss. Além disso, o jovem tem que responder judicialmente por ter enganado Eduardo no momento em que a rede social começava a ser lucrativa. Ele ainda foi processado pela ex-namorada pelas ofensas que publicou em seu blog. Controvérsias à parte, a verdade é que Mark Zuckerberg é considerado hoje o jovem mais rico do mundo. 
 
O filme é baseado no livro Bilionários por acaso : A Criação do Facebook, de Bem Mezrich. O autor contou com depoimentos de alguns dos envolvidos no caso, menos de Mark. Em recente entrevista, o jovem diz que se divertiu com o longa, apesar de algumas imprecisões. Na realidade, ninguém sabe exatamente o que aconteceu nos bastidores desse fenômeno da internet. A única certeza é que Mark é um gênio de sua época. 
 
Mark é vivido pelo ator Jesse Eisenberg e sua interpretação é um dos pontos altos. Ele dá vida a um jovem inseguro, ressentido e capaz de tudo para conseguir seus objetivos. Apesar de diálogos longos, o filme tem uma narrativa ágil, alternando cenas da batalha judicial e dos fatos anteriores a ela. O longa ganhou os prêmios de melhor filme, diretor, ator e roteiro adaptado da Associação Nacional de Críticos de Cinema dos Estados Unidos 
 
Depois de sucessos como O Curioso Caso de Benjamin Button (2008), Clube da Luta (1999) e Seven (1995), David Fincher acerta na mosca ao narrar uma história contemporânea que mostra bem a constante transformação que sofre as relações sociais.

7 comentários:

Bianka disse...

muito bom, quero muito assistir esse filme, ainda mais agora que li esse post *-*

Macaco Pipi disse...

isso pra mim é falta de algo melhor pra pensar, e claramente, sobra de tempo! :D

Inez disse...

Ainda não assisti esse filme, mas estou doidinha para ver, sei que não é o retrato fiel dos acontecimentos, porém, bastante aproximado da realidade desse g~enio.

Reneé Sousa disse...

Gostaria de assistir o filme, as redes sociais hoje são dominantes no mundo todo, muitas vezes a liberdade que a internet nos proporciona é boa, mas as vezes podem ser ruins...

Sou do Blog As Veras, abraços.

pisovelho.com.br disse...

Sou muito fã de David...

Um diretor independente do gênero que consegue fazer grandes filmes atemporais...

Estou louco para ver A Rede Social, enquanto isso deixa eu ir navegar no Facebook hehehehehe

mulherices disse...

Ainda não vi, mas me interessei muito e pretendo ver. Boa a sua resenha.

Nádia Carla disse...

Bastante interessante o filme e a interpretação do personagem principal.