quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Os eufemismos da mídia

A última edição da revista Língua Portuguesa (Editora Segmento) comenta sobre o uso cada vez mais recorrente do eufemismo - figura de linguagem que suaviza um raciocínio cruel, um sentimento desagradável ou um tabu. A mídia é o principal instrumento de difusão dos eufemismos na sociedade, principalmente quando reproduz a retórica de políticos, intelectuais e outras personalidades.

Quando um jornal utiliza o termo "ocupação" para se referir à invasão norte-americana ao Iraque, na verdade, se quer atenuar a realidade nua e crua da guerra. Um exemplo mais recente é como foi tratada a estatização de uma grande instituição financeira nos EUA. A imprensa preferiu falar que o governo Bush socorreu, salvou ou mesmo resgatou a empresa em crise. Veja mais alguns exemplos:

Mensalão Mineiro: Mensalão do PSDB;
Colaboradores: Empregados;
Defensivos agrícolas: Agrotóxicos;
Empurrão facial: Tapa na cara;
Baixas: Mortes;
Dano colateral: Vítimas civis;
Descontinuar o negócio: Ir à falência;
Ofensiva de Israel: Massacre de Israel;
Conflito: Guerra.

Dependendo de quem fala, os eufemismos são usados para enganar, dissimular e desviar a atenção do interlocutor. Assim, é preciso que o espectador/leitor tenha discernimento diante de discursos pensados estrategicamente para manipular a opinião pública.

4 comentários:

Cristiano disse...

show...bela reflexão ! (só a do mensalão do psdb que foi meio.... parcial...)

Michel disse...

Mas o mensalão do PSDB foi tratado pela mídia de "mensalão mineiro". Além disso, nenhum deputado envolvido nesse caso foi chamado de mensaleiro. Será que a mídia é imparcial?
Valeu Cristiano, continue nos prestigiando.

Marcus Vinicius disse...

Michel, Gostei muito do texto. Por que não explorou mais a idéia. Volte no assunto quando puder. Como sugestão de leitura, o texto Os nomes que nos enganam, no blog www.conversasedistracoes.blogspot.com

Michel disse...

Valeu pela dica Marcão.....vou conferir.
Abs