sexta-feira, 29 de agosto de 2008

O desafio do cinema tupiniquim

Os Desafinados, de Walter Lima Jr., estreou no último dia 29
***
O perfil do freqüentador brasileiro de cinema foi traçado em pesquisa encomendada pelo Sindicato dos Distribuidores do Rio de Janeiro ao instituto Datafolha, que ouviu 2.120 pessoas em dez cidades brasileiras no fim do ano passado.

Em abril deste ano, a pesquisa foi aprofundada com um grupo de consumidores, na chamada fase qualitativa.

A pesquisa identificou o que desagrada os espectadores que afirmaram não gostar da produção nacional. O tema dos filmes foi a resposta de 80% dos freqüentadores de cinema.

A segunda resposta mais freqüente (32%) aponta que "os filmes são pornográficos, com baixarias, palavrões, vocabulário vulgar"; 20% acham que "os temas/roteiros não têm conteúdo, começo, meio e fim".

Esse estudo mostra que o cinema nacional ainda precisa superar alguns estereótipos, remanescentes da pornochanchada. Parece que a produção brasileira é monotemática, predominando temas como a criminalidade e a pobreza. Mas, na realidade, essa impressão se deve à cobertura da mídia que prioriza longas com essas histórias.

É inegável que o cinema brasileiro evoluiu muito nos últimos tempos, a maior prova disso é o reconhecimento internacional como recentemente aconteceu nos festivais de Cannes e Berlim. No entanto, isso não garante "casa cheia", nem salas de exibição. O público se acostumou com o padrão hollywoodiano e tem dificuldades de aceitar o experimentalismo e a criatividade de nossas produções.

Num ano de queda, o único filme brasileiro que passou da marca de um milhão de espectadores, foi Meu Nome não é Johnny que estreou nas férias de janeiro e teve uma ampla divulgação da Globo Filmes. Alguns lançamentos previstos ainda para 2008, como Os Desafinados, Linha de Passe, Romance e Última Parada 174, têm potencial para alcançar uma boa bilheteria. Entretanto, se não conseguirem, que, pelo menos, ajudem a mudar esse consenso do público em relação às produções nacionais, afinal, a era da pornochanchada já passou há muito tempo.

2 comentários:

Nádia Carla disse...

Já passou da hora das pessoas acabarem com este preconceito com o cinema nacional, pois é clara e evidente a melhora da qualidade dos nossos filmes !!

Michel disse...

O grande problema é a distribuição. Veja o exemplo de Santos, uma cidade de porte médio, mas que dificilmente exibe filmes nacionais, exceto nas salas mais independentes, como CineArte Posto 4 e Unibanco. Os Desafinados e Linha de Passe já estrearam em SP capital, mas em Santos nem previsão...